Fátima Bezerra negocia crédito com chineses para investir em água e internet de alta velocidade para interior do RN

Suerda Medeiros

Dando continuidade aos encontroscom a missão chinesa, o Governo do Estado iniciou o processo de negociação como Banco de Desenvolvimento da China (China Development Bank, CDB) parainvestimentos e parcerias no Rio Grande do Norte, com foco nas áreas de abastecimentode água e infraestrutura tecnológica.

Aequipe do Governo, chefiada pela governadora Fátima Bezerra, e os executivosque trabalham no escritório do banco estatal chinês no Rio de Janeiro-RJalinharam os primeiros passos para o trabalho em conjunto. “Estamos inaugurandouma nova história de cooperação com a China, envolvendo não só o Rio Grande doNorte, mas também o Nordeste”, destacou a governadora.

Areunião serviu para complementar o encontro realizado durante a manhã, onde oGoverno apresentou as potencialidades econômicas a empresários e diplomataschineses, pois o banco público trabalha com linhas de financiamento parainvestimentos que contem com a participação de empresas de seu país.

“Trabalhamosde forma similar ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico eSocial) e somos o maior banco de financiamento para o desenvolvimento no mundo,com foco na infraestrutura”, explicou Zhao Hao, gerente de projetos e negóciosdo CDB no Brasil, que esteve acompanhado dos executivos Chen Xi e Wa Guaiting.

Combinandoos interesses demonstrados pelos investidores chineses na reunião anterior, aslinhas de crédito do banco e as políticas de Estado, o Governo elencou comoprioridade para parcerias a universalização do abastecimento de água, que custariaR$ 800 milhões, e a ampliação da Infovia Potiguar, levando acesso à internet dealta velocidade para o interior do estado.

Amultinacional chinesa de telecomunicações Huawei, uma das maiores do mundo nasua área, esteve no encontro realizado na manhã de quarta-feira e demonstrouinteresse em investir na Infovia. “A prioridade para nós hoje são essesprojetos na área de água e de tecnologia, que já estão em curso. São áreas quenos interessam muito, inclusive por meio de parcerias público-privadas”, completouFátima Bezerra.

Deacordo com os representantes do CDB, o investimento na ampliação do sistema deabastecimento de água poderia ser feito diretamente com financiamento para aCompanhia de Águas e Esgotos do RN (Caern), o que será discutido diretamenteentre a diretoria da companhia na manhã desta quinta-feira (11), os executivosdo banco e o grupo chinês CGD.

OGoverno ainda firmou o compromisso de apresentar, em breve, ao banco chinês umportfólio de projetos em áreas como mineração, energias renováveis, transporteurbano, ferrovias e infraestrutura portuária, com objetivo de atrairinvestimentos do país asiático. O banco abriu a possibilidade de parceria com aAgência de Fomento do RN (AGN) para a captação de informações sobre osprojetos.

PLANO MANSUETO

Osrepresentantes do CDB pretendem abrir linhas de crédito diretamente para osentes públicos. Assim, o Governo do Estado e o banco chinês iniciaram também asconversas para eventuais empréstimos seguindo o modelo que será oficializadopelo Plano de Equilíbrio Fiscal (PEF) – o Plano Mansueto.

Oplano proposto pelo Governo Federal e que está em discussão no CongressoNacional dará garantias de financiamento para os estados que resolverem tomaras medidas para o equilíbrio fiscal.

Aequipe econômica do Governo já iniciou os estudos e levantou parte dadocumentação para a pré-adesão ao plano federal, além de ter encaminhado para aAssembleia Legislativa o projeto de criação do teto de gastos públicos, que éuma das exigências do Plano Mansueto.

Todaa ação da gestão estadual nesta área, além de uma apresentação explicativasobre o Plano Mansueto, será encaminhada para o escritório do CDB no Rio deJaneiro junto com a lista de projetos potenciais, para subsidiar as negociaçõessubseqüentes.

SOBRE O CDB

OBanco de Desenvolvimento da China foi criado pelo governo chinês em 1994 e atuade forma similar ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

Atualmente,a instituição chinesa tem uma linha de crédito de 50 bilhões de dólares abertano Brasil, com projetos na área de petróleo e gás, mineração, energia,agricultura e comunicação.

OCDB está sob a responsabilidade do Conselho de Estado da República Popular daChina e seu presidente tem status de ministro de Estado.

Naúltima década o banco financiou mais de 4 mil projetos envolvendoinfraestrutura (estradas, ferrovias, energia), comunicações, indústria primáriae desenvolvimento urbano e regional. O banco tem apenas dez escritórios noexterior, sendo um deles no Rio de Janeiro-RJ.